Displaying gaveta-aberta-livro-italo-anderson-poesia.jpg Título Original: Gaveta Aberta



Páginas: 74


Autor: Ítalo Anderson


Editora:Multifoco


Tempo de leitura: Um dia


Nota:   4/5






Heey !

Não leio muito livros de poemas, confesso. Mas, sempre se tem uma vez em que gostou da leitura. O autor Ítalo Anderson enviou seu livro para eu resenhar, e confesso que adorei:

De indiscutível pendor literário e criativo, Gaveta Aberta traz-nos uma poesia fresca, juvenil e muito pictórica. Ao lê-la, e através de recursos estilísticos riquíssimos dos quais se destaca a metáfora, somos levados a um imaginário poético imbuído de realidades, emoções e inquietações.

Confiram:
 É a primeira vez que resenho um livro de poesias, embora tenha lido um ou dois em toda minha vida e os li por causa da escola, fiquei pensando sobre como faria uma resenha sobre algo que não tem uma história e sim vários poemas contando histórias.

Achei que o autor trata as linhas do poema com muito amor e zelo, cada uma das frases de quais quer dos poemas tem um sentimento. É um pouco difícil explicar de certo modo, eles são carregados de inspiração.

Quase conseguimos imaginar o tempo que levou para cada um dos poemas serem escritos. O que mais gostei foi Tratado do Amor. O poema é literalmente curto, e tive que lê-lo duas vezes para entender corretamente e prontamente me apaixonei.

    Na estante, com cheiro de mofo
    Encontra tal livro: o tratado do amor.
    Mas já não se trata de nada
    Pois pra ela já acabou

São versos apaixonantes. Como eu disse cada um dos poemas tem uma história em si, porém cada um dos temas tratados são diferentes. Eles tem teores diferentes, você sente sentimentos diferentes ao lê-lo.

Os textos são curtos, curtos mesmo. Você não leva mais que cinco minutos para ler um deles com toda a atenção. Lembrou muito os poemas espalhados pelas paredes do Museu da Língua Portuguesa, aqui em São Paulo mesmo.

Trechos que grudam na mente e revelam a sensibilidade do escritor de maneira que só lendo para entender. As rimas não são forçadas, elas simplesmente casam perfeitamente entre si, são suaves e graciosas.

    Não se protegeu do sol

    Queimou-se

    Não se protegeu da chuva

    Molhou-se

    Não se protegeu da faca

    Cortou-se


Ao mesmo tempo em que são rimas diferenciadas é notório que os poemas se diferem totalmente dos que li na escola. Não tem todo aquele português que a maioria das palavras são um mistério. As palavras são coloquiais e simples o mesmo tempo. De total entendimento.

Fiquei fascinada, achei que demoraria para ler mas li rápido. Mais rápido do que eu pensava. Até achei que não gostaria de uma maneira geral. A poesia é livre e seus versos também, um jeito bonito de colocar os pensamentos para fora.

Se você não lê muitos poemas sugiro que leia esse, garanto que irá gostar.
 





3 Comentários