Heey !

Chegou o email desse mês da editora Leya, e uma das novidades era a entrevista com o autor do livro "Danem-se os Normais". Aí você se pergunta e o que eu tenho a ver com isso? Bem, nada na verdade. Porém, esse é o próximo livro que eu vou resenhar parar a editora e eu achei bem legal que vocês ( e eu ) conhecessem o escritor.

O livro tem tudo para ser interessante. Confiram a entrevista:


Quem é Sila da Conceição?
Sila - Um menino que sonhava ser motorista de taxi. Na minha infância, vendi amendoim em porta de cinema, trabalhei como peixeiro no mercado municipal em Belém e cheguei a pedir esmola. Depois, me tornei batedor de carteira, mas nunca deixei o sonho do taxi de lado, sabia que minha hora iria chegar. Construí uma história e me tornei um empreendedor. Mas mantenho a força, a humildade e a determinação que sempre tive. Eu sempre digo: "Quem não respeita seu passado acaba condenando seu futuro".


Quais dificuldades você enfrentou em sua trajetória?
Sila - Dificuldades existiram, mas não havia nada que me impedisse de ir atrás do que eu queria. Recentemente, após 35 anos de luta e trabalho, passei por um dos momentos mais difíceis da minha vida: a perda da minha mãe, a mulher por quem eu sempre batalhei. Mas sabe o que eu penso? Que as dificuldades constroem quem você é.

Você teve vontade de desistir?
Sila - Tenho orgulho de dizer que nunca tive vontade de desistir. Passei por fases prblemáticas, cheguei a ser preso no Carandiru. Quando decidi parar de roubar também sofri muito. Eu dizia que era mais fácil viver como ladrão do que trabalhando honestamente. Foi um momento em que todos viraram a cara pra mim porque, no Brasil, "uma vez ladrão, sempre ladrão".

Qual foi o momento de virada na sua história?
Sila - - Foi quando eu decidi abandonar a vida de ladrão e recomeçar. Eu me lembro de falar pra minha mãe: "Se eu sobreviver a esses anos, chego onde eu quiser". O importante é seguir em frente e não perder o foco.

Você tem algum arrependimento?
Sila - O homem tem que se arrepender daquilo que ainda não fez, porque o que já tá feito... tá feito! Eu, Sila da Conceição, quero morrer fazendo o que gosto e sei fazer, que é trabalhar.

Que conselho você daria para quem deseja dar uma guinada na vida?
Sila - O tempo é implacável com o ser humano. Se eu perder dez reais eu posso recupe-rar. Mas se eu perder dez minutos, não recupero nunca mais. Então, temos que fazer valer o tempo. Outro dia vi, num programa na televisão, especialistas afirmando que um jovem deveria comprometer cerca de 10 a 20% da sua renda mensal para alcançar garantia financeira no futuro. Eu penso além! Você tem que se comprometer por completo, doar 100% pra atingir seu objetivo. Ninguém cresce com o que ganha, mas com o que deixa de gastar. Não é difícil chegar onde se quer, difícil é administrar o tempo e o comprometimento.

Qual a importância de contar sua história num livro ?
Sila - De tudo que eu adquirir ao longa da vida, o que fica é o saber. Dinheiro e bens materiais não ficam. É uma história de vida sendo contada. Se essa história servir de incentivo e inspiração para uma pessoa já tá valendo! Ninguém vence na vida por acaso.

4 Comentários

  1. Livro super interessante, vale a pena conferir! Nos mostra que se você tem um sonho, com determinação, trabalho e foco é possível conquistá-lo. Uma história de vida emocionante, exemplo de superação !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, super interessante uma das leituras mais inspiradoras que eu já fiz.

      Obrigado por comentar !

      Bjos Miih <3

      Excluir
  2. Eu me chamo Leny Bitencourt e sem dúvida comprarei o segundo livro da história do meu amigo de infância onde éramos vizinhos no bairro da Sacramentaem Belémdo Pará. Serei canal de divulgação desse exemplar, para q sirva de inspiração para muita gente que saiba que quem busca acha, quem procura encontra e que querer e poder.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente um livro muito, muito bom ><

      Bjoos Miih

      Excluir